Governo da Nigéria anuncia suspensão do Twitter no país ‘por tempo indeterminado’

O governo da Nigéria anunciou em um comunicado nesta sexta-feira (4) que suspendeu as atividades do Twitter no país, o mais populoso da África, dois dias após a rede social suprimir um tweet do presidente Muhammadu Buhari. Na publicação, o presidente ameaçava os responsáveis pela atual violência no sudeste da Nigéria, por considerar que o chefe […]

4 junho 2021 - 20:15 | Por João Vitor Simões

O governo da Nigéria anunciou em um comunicado nesta sexta-feira (4) que suspendeu as atividades do Twitter no país, o mais populoso da África, dois dias após a rede social suprimir um tweet do presidente Muhammadu Buhari. Na publicação, o presidente ameaçava os responsáveis pela atual violência no sudeste da Nigéria, por considerar que o chefe de Estado violou suas regras de uso.

Foto: Ludovic Marin/Pool via Reuters

No final da tarde desta sexta, a plataforma ainda estava no ar na Nigéria, observaram jornalistas da AFP no país. O comunicado também foi postado na conta do ministério no Twitter.

Questionado pela AFP, o assessor especial do ministério Segun Adeyemi confirmou que “as atividades seriam suspensas por tempo indeterminado”.

“O governo federal suspendeu, por tempo indeterminado, as atividades do serviço de microblog e rede social Twitter na Nigéria”, disse o Ministério da Informação e Cultura em nota oficial.

O ministro da Informação de Buhari, Lai Mohammed, respondeu em mensagem à imprensa que, se o Twitter tem suas próprias regras, o presidente tinha o direito de comentar a situação na Nigéria.

Ele acusou a rede social de tolerar postagens do chefe de um grupo separatista ativo no sudeste do país, que, de acordo com ele, incentiva a violência.

A Nigéria é a maior democracia da África, mas o governo frequentemente recebe acusações de organizações de direitos humanos.

João Vitor Simões

Acadêmico de Jornalismo pela PUC - Goiás, redator do Papo Aberto e entusiasta em Política Internacional e Esportes.

NAS REDES

© COPYRIGHT 2018, PAPO ABERTO - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS