Desmatamento na Amazônia no mês de agosto é o maior em dez anos, aponta Imazon

    De acordo com dados do Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônica (Imazon), que monitora a região via satélite, foram desmatados 1.606 km² de floresta em agosto, o que equivale a cinco vezes o tamanho de Belo Horizonte e é 7% maior do que o registrado […]

21 setembro 2021 - 19:16 | Por Elisama Vasconcelos

 

Foto: Andre Penner/AP

 

De acordo com dados do Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônica (Imazon), que monitora a região via satélite, foram desmatados 1.606 km² de floresta em agosto, o que equivale a cinco vezes o tamanho de Belo Horizonte e é 7% maior do que o registrado em agosto de 2020. As informações são do portal G1.

Segundo o Imazon, se somados os dados obtidos entre janeiro e agosto de 2021, já foram destruídos 7.715 km² de floresta. Este índice também foi o pior da década e chega a ser 48% maior do que o ocorrido no mesmo período de 2020.

Os estados do Pará e Amazonas seguem como os que mais desmatam, responsáveis por 66% da área destruída em agosto. O Acre aparece em terceiro lugar, pela primeira vez.

Ainda segundo o G1, desde maio, o Pará segue no topo do ranking dos estados que mais desmataram na Amazônia, e teve 638 km² destruídos apenas em agosto. Essa área representa 40% de toda a devastação na Amazônia Legal e é maior do que São Luís.

“Se quisermos evitar que o ano feche com a maior área desmatada da década, precisamos urgentemente adotar ações mais efetivas, como aumentar o embargo de terras já desmatadas ilegalmente e intensificar operações de fiscalização, com a devida punição dos desmatadores”, alerta Antônio Fonseca, pesquisador do Imazon.

O Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD), desenvolvido pelo Imazon, é uma ferramenta que utiliza imagens de satélites (incluindo radar) para monitorar a floresta.

Acadêmica do curso de Letras Língua Portuguesa pela Universidade Federal de Goiás e redatora do Papo Aberto.

NAS REDES

© COPYRIGHT 2018, PAPO ABERTO - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS